Projeto

 

O projeto em curso está a ser desenvolvido em colaboração com o Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade do Porto - ICBAS e o Centro Interdisciplinar de Investigação do Mar - CIIMAR:
 
  •  Cultivo e repovoamento do lavagante europeu Homarus gammarus no mar da Aguda (projecto) - ICBAS, CIIMAR.

 

O lavagante europeu (Homarus gammarus) está a desaparecer gradualmente devido à exploração excessiva e falta de políticas de conservação. A costa rochosa da praia da Aguda pode ser considerada um habitat ideal para este crustáceo e também para a aplicação de medidas que poderiam estabelecer e aumentar a população local. Por isso, foi lançado um projeto a longo prazo, de cultivo do lavagante para fins de repovoamento do mar da Aguda.
Numa primeira fase, foram registados e estudados os lavagantes capturados pela pesca local e vendidos na lota da Aguda.
Numa segunda fase, foi realizada uma pesca experimental em colaboração com os pescadores locais, de forma a obter informações adicionais sobre a distribuição e densidade, as relações de peso-comprimento e dos sexos.
Numa terceira fase, lavagantes de tamanho inferior da pesca comercial e experimental, foram primeiro recuperados em cativeiro, depois marcados com injecção de tinta colorida e libertados no mar, a Norte da praia da Aguda, sobre fundo rochoso.
Em paralelo, foram criadas condições na Estação Litoral da Aguda para manter lavagantes adultos em cativeiro e proceder à cultura de larvas e juvenis. Os primeiros resultados não foram encorajadores por causa da mortalidade elevada na fase larvar, provavelmente devido ao canibalismo.
A pesca experimental e os esforços de cultivo vão continuar no futuro. Espera-se que os conhecimentos adquiridos sobre o estado da população local, em paralelo com o aperfeiçoamento das técnicas de cultivo e métodos, forneçam as condições necessárias para o repovoamento do lavagante no mar da Aguda, com sucesso.
Em 2015 foram libertados, no dia 29 de setembro, 39 animais marcados, em frente da praia da aguda, sobre fundo rochoso, a profundidades entre 8 e 10 metros, com a embarcação "Irmãos Unidos" do pescador Carlos Campota da Praia da Aguda.
Desde 2006, ano do início do projeto, foram libertados no mar 319 lavagantes marcados. a taxa de recaptura anda à volta de 10 %, o que não é um mau resultado quando comparado com dados de outros países.